quarta-feira, 19 de junho de 2013

Atravessando a Neblina




A neblina no céu era bastante intensa, a vista sempre poluída de prédios era quase imperceptível, nada podia ser visto além do branco...branco...braco.  Tudo era diferente, não eram as rotineiras manhãs de inverno que tanto lhe agradavam. Onde o céu azul trazia a esperança, as roupas quentes lhe confortavam junto ao chocolate quente que costumava lhe adoçar a manhã. 

Sua casa, porém, parecia basicamente a mesma. Sem nenhuma grande mudança, a não ser aquele móvel ali, ou aqui. Pela manhã, a família ainda continuava a dormir, o cachorro continuava a fazer a mesma festa assim que a via na soleira da porta da cozinha, por mais que não estivesse com as elegantes roupas do trabalho, ainda que trajasse apenas o roupão felpudo por cima do pijama, ele parecia vê-la sempre do mesmo jeito, com a mesma felicidade. Em sua cabeça, se perguntava porque não poderia encontrá-la da mesma forma que seu animalzinho fazia, com coisas simples, se perguntava porque os seres humanos eram dotados de complicarem tanto. 

Enquanto a caneca com leite esquentava no microondas, sentou-se em uma das cadeiras e, como sempre, seus olhos percorreram as notícias nos jornais. Não eram as mesmas do dia anterior, nem da semana anterior, mas de alguma forma sua concentração não permaneceu onde gostaria, como se fossem fatos passados, não conseguiu se quer terminar de ler a manchete principal. O apito do aparelho eletrodoméstico anunciou que a bebida estava pronta, ou quase. Ela retirou a caneca, encarando o líquido que ali dançava, mais branco...branco...branco. Quando foi a última vez que reparara em tanta neblina em sua vida?! Se pegou indagando, enquanto retornava para aquela mesma cadeira onde havia sentado.

Embora colocasse uma a uma das três colheres de achocolatado mecanicamente, como sempre fazia, sentia seu estômago revirado, não existia vontade alguma de ingerir o que havia dentro da caneca, e se parasse para pensar mais um pouco, não existia vontade se quer de ter deixado o edredom. Sentia-se vazia, e não era o tipo de vazio que conseguia ser suprido por um alimento ou pelas insistentes patadas do filhote de dálmata em seu pé, embora estas conseguissem lhe arrancar um sorriso ali ou aqui. Ela sentia como se precisasse de algo a mais, precisasse buscar o que estava faltando.

Sabia o que lhe faltava. Era óbvio que sabia, mas doía muito mais saber que não poderia fazer nada. Ao menos não naquele instante, estar ali, em pé e pronta para o dia que viria era o máximo que poderia fazer, embora, por dentro, sua vontade seria de fazer muito mais. 

Seus olhos encararam o visor do celular, entraria no trabalho em menos de meia hora. Suspirou, desistindo do achocolatado, e encarou o cãozinho que tanto vinha lhe implorando a atenção até então. Sua mão foi ao encontro do pêlo macio do filhote, que ficou ainda mais feliz pelo agrado.

"Como você consegue? Me ensina?!" - A jovem perguntou, fitando os olhos satisfeitos e felizes do bichinho. Novamente passava por sua cabeça como poderia simplificar os fatos, como poderia acabar com aquele vazio.

Repentinamente, se levantou, empolgado, o dálmata acreditou que ganharia uma voltinha pelo bairro e começou a pular animado em torno de sua dona. 

"Eii...eu prometo que sairemos, ok?! Mas eu preciso fazer uma coisa...simplificar as coisas." - Como se estivesse compreendendo o que a sua dona dizia, o cão sentou-se, acalmando-se e pacientemente aguardando-a. Enquanto isso, ela saiu pela porta da cozinha em passos apressados, vestiu o jeans surrado e a primeira camiseta que encontrou em sua frente. Escutou a voz da mãe curiosa, muito embora bastante sonolenta.

" É seu dia de folga?" - Indagou a mãe confusa na porta, enquanto a moça enchia uma de suas mochilas com roupas.

" Não mamãe, mas eu não irei hoje, nem amanhã...nem o resto da semana..." Ela respondeu sem se virar, sabia que viria um sermão, e confirmou que estava certa ao escutar a exclamação, como sempre, exagerada da mãe.

"O que? E onde você vai?!" - A mãe pareceu ter despertado no mesmo instante.

"Eu vou fazer diferente. Vou simplificar. Vou apostar todas as tentativas que me caberem...eu só não ficarei aqui, parada, com a sensação de que poderia estar fazendo algo."

A senhora, apesar de permanecer com um ar de reprovação, nada disse. Não fez perguntas, sabia muito bem qual era o próximo destino de sua filha, mas mais que isso, sabia muito bem a filha teimosa que tinha.


Por Lis Selwyn

2 comentários:

  1. Thaís Maria Thaís! ahahah, sorry! Juro-te que as tuas palavras ultimamente têm me caindo em cima (salve seja =P) como uma luva!

    "Eu vou fazer diferente. Vou simplificar. Vou apostar todas as tentativas que me caberem...eu só não ficarei aqui, parada, com a sensação de que poderia estar fazendo algo."

    E é bom porque é nessas horas que a gente vê que não somos um bicho raro com sintomas de uma doença rara! Nossa, como pode às vezes nós vivermos em volta dessa neblina quase que anestesiados pela mesmíssima coisa que aceitámos pra nós mesmos? Essa neblina que nos deixa mal, mas que nós nos acostumamos... e tipo, vc já viu a estupidez de se acostumar com aquilo que não nos deixa feliz? Não tem sentido... mas incrivelmente, passado um tempo vc acha que essa neblina é densa demais pra gente fazer ela sumir. E como a garota do conto falou, ela disse "vou fazer diferente", e nesse momento ela tomou uma decisão. Mas tem de ser uma decisão convicta e cheia de coragem pra quebrar o padrão, o que não deixa de ser assustador.... enfim, me desculpa ahahaha, estou divagando demais.

    Só para dizer, o que vc já sabe, que me identifico demais com suas filosofias cabeça =P Agora, terei de colocar em prática!!

    Acompanhando seu papo cabeça porque gente inteligente não se encontra em qualquer virar da esquina ;)

    ResponderExcluir
  2. AHHHHHHH QUE COMENTÁRIO LINDO! <3 ameeei, serio mesmo omo! *_* E que bom saber que você se identifica, as vezes acho maluquice demais...ate pra colocar no papel sabe? kkk mas no final acaba fazendo sentido, ao menos pra mim! O.o É sempre bem vinda a acompanhar meu papo cabeça! <3 Obrigada ;D

    ResponderExcluir