quinta-feira, 25 de junho de 2015

Amor e Liberdade - Capítulo XVII


Capa: Paula Curi - Projeto Expresso da Literatura


Flora estacionou o carro no Hotel Ibis da Paulista. Sorri para ela e entrelacei meus dedos aos dela que continuavam no câmbio do carro.


- Obrigada! – Agradeci e lhe dei um selinho.

Saímos do carro pouco tempo depois e seguimos até a recepção. Ela solicitou um quarto de casal, e por mais que eu acreditasse que nos olhariam estranho, ninguém o fez. O funcionário apenas nos entregou uma ficha de cadastramento e assim que a devolvemos tínhamos a chave do quarto em mãos. Eu e Flora entramos no elevador, eu queria beijá-la ali mesmo, mas me contive até que fossemos deixadas no nosso andar. Trocamos sorrisos cúmplices no corredor, nossas mãos se esbarraram levemente conforme andávamos até nosso quarto e quando chegamos em frente a porta que dizia “222”, entramos.

Flora encostou a porta nas nossas costas e eu andei em sua direção. O quarto era simples, uma cama de casal, uma cômoda e um armário. No quanto esquerdo o banheiro da suíte e era isso, nada mais. Era perfeito. Beijei Flora, saboreando seus doces lábios. Ela sorriu e me puxou para mais perto e depois nos virou, encostando minhas costas na parede. Não havia nada que pudesse nos deter naquele momento. Beijamos-nos com ainda mais intensidade. Ela subiu as mãos por dentro da minha blusa, acariciando minha pele arrepiada. Eu arranhei suas costas levemente, puxando a blusa que ela usava, a fim de me livrar o mais rápido possível das peças que nos separavam. Flora beijou cada canto do meu rosto, desceu com beijos por todo meu pescoço e nuca. Tentei conter minha respiração que se alterava a cada toque dela.

A morena segurou meu rosto, parando pouco a pouco os beijos para me encarar. Trocamos sorrisos de uma forma que só nós entendíamos, eu estava mais certa do que nunca do que eu queria. E o que eu queria, era ela.

- Eu nunca...- Comecei a dizer em sussurro, queria contar que eu nunca tinha tido experiências, fosse com mulheres ou homens, mas não foi preciso terminar a frase. Ela segurou em minha mão, me encaminhando para a cama eu havia no centro do quarto. Sentei-me e quando Flora parou em minha frente, retirei sua blusa, revelando sua pele branca e macia. Acariciei-a com a ponta dos dedos, com desejo, curiosidade e ao ver sua pele se arrepiar ao meu toque, senti um formigar interior. Olhei-a e sorri novamente, Flora foi me inclinando na cama e deitando sobre mim. Voltamos a nos beijar enquanto ela retirava a minha blusa. Meu corpo estremeceu ao sentir seus seios contra os meus, por mais que ainda estivéssemos de sutiã, me controlar com ela em cima de mim era impossível.

Minhas mãos buscaram suas costas até encontrar o fecho do sutiã, o retirei, observando cada curva dela. Eu não queria perder um momento, um instante que minha mente poderia gravar dela. Beijei-lhe os ombros quando Flora desabotoou minha calça jeans e a retirou. Suas mãos ágeis exploraram minhas pernas e coxas. Gemi baixo em seu ouvido, sem conseguir me conter.

Ela encaixou uma das pernas entre as minhas, me provocando, me enlouquecendo.

- Eu não consigo resistir...- Sussurrei com a voz falha, desabotoando sua calça.
- Então não resista, eu quero que você possa sentir hoje tudo o que tem direito...eu sou sua! – Ela disse, também com a voz ofegante.

- Só hoje você é minha?! – Perguntei, provocando-a.

- Não...- Ela me encarou, vi seus olhos verdes mais belos do que nunca. Turvos, carregados de desejo e aquilo me excitou ainda mais. – Eu sou para sempre sua...- Flora respondeu e me estremeci. Voltamos a nos beijar, retiramos as últimas peças que faltavam até sobrar apenas o que devia, corpo com corpo, pele com pele e toda a noite. Entreguei-me inteiramente à Flora. Naquele momento não só nossos corpos se entrelaçaram, como nossas almas. Éramos somente uma e não havia nada no mundo que poderia mudar isso.

Quando o dia amanheceu, ainda estávamos acordadas. Vimos o sol nascer no horizonte juntas, abraçadas uma na outra. Tomamos banho juntas, nos amamos novamente. Senti como se Flora fosse um vício, o mais belo e delicioso vício, e eu queria ser para sempre viciada nela.

4 comentários:

  1. Adoreeeei *--* aeeeee finalmente elas ficaram juntas, que lindo! Apesar de rápido, foi bonito e intenso *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmm, o finalmente delas chegoooou! :P rsrs De uma forma delicada e cheias de descobertas para Ceci, como é a relação delas :P

      Excluir
  2. Muito bom... Você deveria se estendido um pouco mais Lis... Por que tanta economia de momentos de intensos carinhos??? Foi a primeira vez da Ceci... Faltaram as sensações da Ceci... Foi tão vapt vupt...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rsrsrs como eu te expliquei, acabei tento que economizar na extensão do capítulo para servir também no formato facebook, mas tentei fazer uma cena delicada e ao mesmo tempo intensa, como é a relação delas! :P

      Excluir